"Dê-me um corpo para com ele construir um imenso território sedento de desterritorialização na territorialização, sempre. Dê-me um corpo, dê-me o infinito das desdobras no finito/infinito das desdobras e eu os mostrarei às núpcias das diversidades libertadas do conhecimento, inimigo maior do pensamento. O conhecimento não é o pensamento, mas, muitas vezes prisão identitária: gênero, pátria, cognição desprovida de corpo. Dê-me um corpo, se não me derem, eu o farei!"

                                                                                                                                                                                                                     © 2009 Daniel Lins

briannstorm_copy.png